Como lidar com a Decepção?

terça-feira, 17 de julho de 2012


A decepção faz parte da vida. Afirmo que é necessário para o desenvolvimento humano. O desapontamento, na maioria das vezes é um impulso para a ação, nos dá motivação para crescer e ir ao encontro dos nossos objetivos. A decepção pode acontecer sempre que identificamos um erro entre aquilo que desejamos alcançar e aquilo que realmente alcançamos ou que aconteceu. Sempre que identificamos esta discrepância, na maioria das vezes podemos ficar decepcionados, com os outros ou conosco.

Mas é extamente essa discrepância que nos permite avançar, que nos permite nos questionar, que nos permite olhar a realidade de frente e progredirmos. A decepção é uma forma de frustração, e aprender a lidar com a frustração é uma habilidade necessária para conseguirmos lidar com as nossas emoções de forma funcional.

A DECEPÇÃO COMO PROMOTORA DO DESENVOLVIMENTO
Para promover o crescimento, a decepção precisa ser experimentada, pelo menos num primeiro momento, em pequenas doses controláveis​​. Aprender a gerir de forma “ótima” as decepções e frustrações na infância nos ajuda a desenvolver a capacidade de lidar com as decepções mais dolorosas que encontramos ao longo de toda a vida. Por outras palavras, experimentar decepções toleráveis ​​quando somos jovens, enquanto os nossos pais estão lá para nos ajudar a lidar com elas, nos ajuda a construir ”músculos” psicológicos, força emocional e habilidades para lidar com esses sentimentos.

Não pretendo passar a mensagem que os pais devem deliberadamente procurar formas de decepcionar os seus filhos. Nada disso. No entanto, é importante no desenvolvimento das crianças que não aja uma super proteção, devendo considerar-se normais pequenas frustrações e toleráveis algumas insatisfações. Este processo de viver as experiências menos boas sem alarmismos, por exemplo, não ser capaz de encontrar um brinquedo favorito, não ser satisfeito em um pedido de doces no supermercado, ter que ficar com uma babá por algumas horas, e até mesmo ter que dividir algo com um irmão, faz parte do importante processo de construção de habilidades de enfrentamento.

Se você é pai, educador ou professor, pense nisso. Pense numa forma de desenvolver força emocional na sua criança ou jovem. Por outro lado, se você já é adulto e sente que tem problemas em lidar com a decepção, muito provavelmente não desenvolveu determinadas habilidades chave quando era mais novo. Por esse motivo não julgue que algo de errado está acontecendo com você. O que necessita é entender os gatilhos que fazem disparar a sua decepção e as crenças que as suportam. Todos nós ao longo da nossa vida vamos construindo um conjunto de conceitos e ideias que nos servem de orientação e pela qual olhamos o mundo. Mas se essas crenças forem muito rígidas, podem te causar problemas o levando para uma frustração recorrente, o empurrando para uma decepção generalizada com a maioria das pessoas e/ou da visão que possa ter acerca do mundo.

Na vida adulta, muitas são as vezes que as coisas não acontecem de acordo com as nossas expectativas. Muitas são as vezes que as pessoas não agem de acordo com aquilo que esperamos. Por vezes falham conosco, são ingratas e injustas, nos levando ao sentimento de decepção. Para lidar com este sentimento de forma a não sairmos denegridos, prejudicados e acima de tudo deprimidos, importa sermos flexíveis, importa acionarmos a aceitação da realidade.

ACEITAR A REALIDADE
Uma das chaves para lidar com a decepção dos outros, é perceber e tomar consciência que somos todos humanos, e os seres humanos são, por definição, seres imperfeitos. Todos nós, cada um de nós, decepciona alguém, em algum momento ou outro. Reconhecer este fato da experiência humana pode nos ajudar a lidar com a dor da desilusão, quando se trata de aprofundar a nossa capacidade de amar e nos conectar com a “imperfeição” dos outros.

Todos temos modelos pelos quais aprendemos a agir no mundo. Essas pessoas nos transmitem algumas linhas de orientação que nos servem ao longo da vida. São pessoas que admiramos e que acima de tudo respeitamos. No entanto, essas pessoas de referência também são humanas, cometem erros, deslizes e por vezes injustiças, direta ou indiretamente, acabando por nos decepcionar. No processo de enfrentar as frustrações (processo de ruptura com o modelo), grandes e pequenas, quer em tenra idade quer na idade adulta nos permite colocar à prova as nossas habilidades de enfrentamento, e com isso desenvolvermos a capacidade de nos ajustarmos à realidade das situações.

Este processo pode ser complicado, mas aplicando alguns passos você pode conseguir ultrapassar o sofrimento da sua decepção:

Fale sobre a sua decepção. Abordar o assunto pode parecer fazer piorar a dor no início. Mas, acredito que ao falar sobre os motivos e acontecimentos que o conduziram até à sua decepção pode ser promotor de esclarecimento e da procura de um atenuante. Conversando com amigos, parentes, ou um profissional pode ajudá-lo a processar os sentimentos e a restabelecer o equilíbrio emocional.

Lembre-se que existem sempre várias versões para uma história. Tente obter mais informações antes de tomar qualquer ação ou tomar qualquer decisão sobre como responder a uma situação.

Coloque-se no lugar da outra pessoa. Mesmo se você tenha uma opinião diferente, não diga, “Eu nunca faria isso.” Quem sabe, você até poderia fazer se estivesse na mesma posição.
Seja gentil com você mesmo. A raiva, que pode ser o seu sentimento primário, muitas vezes é uma reação à dor. Tente reconhecer o quão você se sente magoado e tenta amenizar a sua dor com gentileza e bondade. Esforce-se por não ficar muito ressentido ou rancoroso.
Converse com a pessoa que foi alvo da sua decepção, se for possível, pode ser útil, mas às vezes pode piorar as coisas. Então, seja claro sobre o que você pretende alcançar com essa possível conversa. Insultar ou atacar provavelmente não vai ajudar. Procure envolver-se numa discussão realista sobre o que a outra pessoa fez, e o quanto isso tem perturbado você, pode ser útil.

O QUE PODE ACONTECER AO LIDAR DE FORMA DESTRUTIVA COM A DECEPÇÃO?
A decepção não é algo ruim. A decepção comporta em si um lado duplamente positivo. Uma das razões é porque ela representa a paixão a uma causa, a um valor ou a uma pessoa. A outra razão é que ela nos impulsiona à resolução e à combatividade perante a frustração vivida. Quanto maior a sua decepção, maior o significado da sua paixão e consequentemente maior poderá ser o impulso para a solução. No entanto, nem sempre assim é. Nem sempre a pessoa canaliza essa enorme energia da melhor forma e na melhor direção.

Com estes dois lados positivos da decepção, a emoção pode tomar conta da pessoa e isso ser uma porta da estratégia de enfrentamento. Certamente esta não será uma forma funcional de lidar com a decepção.

Por exemplo, sempre que você tenta acabar com a sua desilusão, negar os seus objetivos e sonhos ou mesmo desistir deles, você está realmente apenas rejeitando quem você é verdadeiramente. Ao subjugar os seus desejos, as suas vontades, os seus objetivos, os seus sonhos, as suas visões, o seu verdadeiro eu, você se anula. Quando você tenta negar os seus desejos reais, você está apenas se consumindo. Você pode tentar fingir que está tudo bem e continuar normalmente na sua vida cotidiana, mas você não pode enganar o seu subconsciente. Quando você se separa dos seus valores e daquilo que é significativo para você, a vida começa a ser vivida de forma vazia. Com o tempo, você corre o risco de ir se afundado num estado de decepção e insatisfação que pode conduzi-lo para um estado de apatia geral. Você começa a viver todos os dias “sem vida”, sem paixão ou entusiasmo. Você passa a sentir-se estéril e vazio. Com alguma naturalidade você pode cair em depressão.

A boa notícia é que lidar com a decepção não tem de ser desta forma. Você não está sozinho na sua desilusão. Todos nós somos suscetíveis à decepção e certamente em algum momento iremos ficar decepcionados. Seja com os amigos, familiares, professores, gestores, colegas de trabalho, enfrentar a decepção é uma realidade da vida. Não é um fenômeno exclusivamente seu. Ainda que na maioria das vezes a decepção possa ser disparada por um gatilho do qual você não tem plena consciência, você pode proativamente lidar com isso de uma maneira consciente. Desde que aprenda como lidar corretamente com as suas decepções, você pode levar a vida de forma funcional, em alinhamento com as suas paixões e desejos interiores.

LIDAR DE FORMA CONSTRUTIVA COM A DECEPÇÃO
Coloque-se num estado mental mais claro sempre que você experimentar a decepção. Num estado de abatimento você é puxado para baixo, para um estado inferior, onde os seus pensamentos são predominantemente enraizadas no medo, tristeza, dor, ou até mesmo apatia. E, usualmente todo este processo ocorre de forma subconsciente. Pode haver momentos em que o sentimento de decepção é tão avassalador que parece o fim do mundo. A tristeza instala-se, com isso você aciona uma ponte para o seu passado, se relembrando de mais acontecimentos de tristeza que comprovam a sua decepção. O ciclo de negatividade cresce de forma automática, dado que a tristeza alimenta a tristeza. Os seus níveis de energia diminuem podendo levar à resignação e à letargia.

Ficar preso num tal estado que o impede de pensar logicamente e com clareza, é desvantajoso. Ao lidar com a decepção, o seu primeiro foco deve ser tentar trazer a sua consciência para um nível mais neutro ou positivo, tentando colocar-se num estado de maior capacidade para reagir à sua situação.

Procure atividades positivas. Que atividades você mais gosta de fazer na sua vida? Identifique-as. Escreva isso numa folha de papel, como por exemplo: jogar, andar no parque, assistir a um filme de comédia ou conversar com amigos divertidos. Se você acha que ler o seu livro favorito vai te deixar mais animado, em seguida, pegue no livro e comece a lê-lo. Se dar um passeio à beira-mar ou à volta da sua casa te deixa mais descontraído, em seguida, saia de casa e desfrute da brisa lá fora. Se jogar pode fazê-lo sentir-se melhor, vá em frente e jogue. Faça tudo o que possa fazê-lo sentir-se melhor. Às vezes, simplesmente passar algum tempo sozinho pode ser a melhor maneira para você arrumar as suas ideias e recuperar a energia perdida.

Talvez todas estas recomendações possam parecer banais à você, coisas normais, coisas que você até já sabe que são úteis. No entanto digo que são muito eficazes. Na maioria das vezes as coisas mais simples são as que funcionam, mas são igualmente aquelas às quais somos mais resistentes. Isto acontece porque julgamos precisar de um “milagre” para nos sentir melhor. E, também porque se você não sente vontade nenhuma para fazer algumas das coisas sugeridas, porque razão se vai propor a isso? Porque num estado de decepção, é benéfico que você seja proativo no restabelecimento do seu humor e do seu equilíbrio emocional. Certamente concorda? Acredito que sim. Então é lógico fazer coisas para voltar a sentir-se bem, certo? Volto a acreditar que concorda comigo. Perante este raciocínio, reforço a ideia de que uma das melhores formas para lidar com o seu estado de decepção é fazendo coisas para voltar a se sentir bem.
LIGUE-SE AO SEUS VALORES, DESEJOS, INTERESSES E NÃO AOS RESULTADOS

Quando você está desapontado, a sua fonte de decepção pode estar enraizada no seu apego excessivo a um determinado resultado. Quando um resultado não se manifesta do jeito que você imaginou, você fica decepcionado. Esta é uma resposta perfeitamente natural. No entanto, entenda que as suas expectativas no resultado, ou objetivos, são um reflexo ou projeção externa de um desejo subjacente que você tem. As expectativas podem ou não ser projeções precisas, porque são interpretações meramente subjetivas do que você pensa que é necessário para viver de acordo com o seu desejo subjacente.

Por exemplo, digamos que você foi a uma entrevista na empresa “A”. A Empresa “A” oferece um pacote de benefícios grande, você já ouviu elogios sobre o local. Você pretende fazer uma carreira na empresa “A”. No entanto, você é preterido por outro candidato a quem consideraram como tendo um melhor perfil para o cargo. A empresa passa a ter uma política de apenas aceitar um candidato uma vez a cada dois anos. Não há nenhuma maneira de você tentar de novo nos próximos dois anos. O que você deve fazer a partir daqui?

O segundo passo para lidar com a decepção exige que você olhe para os seus desejos e objetivos e não propriamente para o seu resultado obtido. Comece por reconhecer que um emprego na empresa “A” é apenas uma projeção dos seus desejos internos. O seu desejo interior pode ser o de obter uma carreira desafiante e ter um emprego num ambiente de trabalho dinâmico. Se tentou e não conseguiu um bom resultado, há muitas maneiras para alcançar o seu desejo, como trabalhar na Empresa G, Empresa X, ou mesmo a criação do seu próprio negócio. Trabalhar na empresa “A” era apenas uma das muitas maneiras de você poder conseguir isso.

Neste exemplo, era importante não personalizar a decepção. Ou seja, era importante não ficar decepcionado consigo mesmo, nem atribuir descrédito às suas capacidades ou habilidades. Nestas situações, tal como referido anteriormente é importante encarar a realidade dos fatos, e não entrar num ciclo de negatividade. É importante perceber a razão do abatimento e da frustração, mas depois, com clareza tentar perceber que na base da desilusão está algo bom: os seus desejos. E esses desejos podem continuar a alimentar as suas ações no sentido de chegar onde pretende. A decepção só é prejudicial quando você a usa para o travar, para o imobilizar na sua frustração e impedir que continue em frente.

LIBERTE-SE DA SUA ILUSÃO MENTAL
É importante trabalhar a sua capacidade de adaptação às circunstâncias da vida e à mudança, desenvolvendo a sua flexibilidade de pensamento. Muitas pessoas permanecem num estado de desapontamento porque ficam enraizadas nas suas expectativas acerca de como a realidade deve ser. Se você está decepcionado com alguma coisa, muito provavelmente pode estar alimentando certas percepções sobre como as coisas deveriam ser. Estas percepções não são a realidade, elas são invenções criadas por você na sua mente, não propriamente falsas, mas elaboradas nas suas crenças e formas de olhar o mundo. Nem verdadeiras, nem falsas. Mas se estão contribuindo para a sua decepção, merecem ser revistas, merecem um outro olhar.

Estas ilusões mentais são desencorajadoras porque o mantêm preso num estado negativo. Algumas dessas ilusões são alimentadas por distorções do pensamento, o impedindo de progredir na direção para onde você pretende ir. Lidar de forma assertiva com o desapontamento requer que você fique ciente das suas ilusões mentais.
Quando você está desapontado, pergunte a si mesmo: “o que é que está me fazendo ficar preso neste sentimento? A que falsas percepções eu estou me agarrando? Que ideias fixas da realidade eu estou levando em consideração?

Procure essas ilusões, uma por uma. Pergunte-se como e quando você passou a ter essas ilusões. Tenha consciência delas e liberte-se delas. Estas ilusões são o que lhe dá uma visão errada da realidade. Elas estão impedindo que você aja construtivamente sobre a sua situação ou viva a sua vida da maneira que pretende. 

ENTENDA QUE OS RESULTADOS INDESEJADOS PODEM NÃO SER RETROCESSOS
Uma das razões pelas quais as decepções podem ser positivas é porque representam uma oportunidade de crescimento. Muitas pessoas se decepcionam com algumas situações ou resultados, porque vêem isso como uma derrota ou um fracasso comparativamente ao que querem atingir. Se sentem como se tivessem dado um passo para trás relativamente às suas expectativas.

Por exemplo, digamos que você investiu muito do seu tempo na preparação para as provas da faculdade. Você tinha a crença de que essas ações, juntamente com o que você sabia (a sua realidade), resultaria num resultado positivo. No entanto, em vez de atingir esse resultado, você ficou aquém das suas expectativas.

Provavelmente perante uma situação como a descrita anteriormente você ficaria desapontado, essa experiência mostra que existia um equívoco no seu pensamento. O investimento inicial o levou a concluir que o que fez e sabia era suficiente para alcançar o resultado pretendido, que na verdade não foi. Em vez disso, você pode precisar aumentar os seus recursos ou mudar a sua abordagem para alcançar os resultados desejados. A sua decepção tem realmente como finalidade ajudá-lo a se mover em direção aos seus objetivos, e não conduzi-lo para longe como se pensava inicialmente.

Neste exemplo, e sendo abordado de forma construtiva, iria servir para a obtenção de novas lições, seja sobre si mesmo, a situação ou mesmo do mundo. Você ganhou alguma coisa que ninguém mais poderia fornecer-lhe. Como pode um resultado negativo ser um revés se lhe deu algo novo para aprender? Você chega a um novo nível de consciência e crescimento que nunca teve antes. A decepção te serviu, te promoveu novos entendimentos e formas mais funcionais para obter o que desejava.

AVANCE: FOQUE-SE EM FAZER O MELHOR QUE PUDER


Lidar com a decepção não é definitivamente uma tarefa fácil, mas se você trabalhar focado nas etapas mencionadas acima, acabará se ajudando a retirar do estado vazio e confuso que provavelmente se encontra. Ainda que alguns dos seus objetivos do passado possam ter culminado em decepção, isso pertence ao passado. Você agora tem a possibilidade de lidar com as frustrações de uma forma mais funcional e vantajosa para si. Mantenha-se focado nos seus desejos e nos seus sonhos de vida. Não olhe os resultados como fracassos usando a decepção como uma paralisia da ação. Com os seus desejos em mente, continue em frente. No entanto, tome nota para não prender-se ao fracasso ou falha de alguns dos seus objetivos. Quando você faz isso, começa a cair na armadilha de associar a sua própria pessoa aos objetivos não alcançados. Isso não é sustentável, porque esses objetivos são apenas resultados externos, que são impermanentes. Você é muito mais que os seus resultado ou decepções. Você é aquele que pode aprender e crescer com isso.

“A vida não é apenas sobre como alcançar as metas, é sobre vivê-las ao máximo.”
Em cada situação que sabe poder conduzi-lo ao seu objetivo, escolha as ações que lhe permite viver em alinhamento com os seus desejos mais íntimos, de acordo com as suas habilidades, dentro dos seus contextos situacionais. À medida que você for fazendo isso, não há razão pela qual possa se sentir pra baixo, porque tem feito tudo aquilo que pode fazer.

Quando você começar a fazer isso, vai perceber que é capaz de viver conscientemente e livremente em vez de sujeitar-se aos resultados. Você é capaz de canalizar construtivamente a paixão dos seus desejos mais íntimos para viver o tipo de vida que você quer.

0 comentários:

Postar um comentário